PARÁBOLA DA REDE
(Mt 13:47-50)

Mateus
“Finalmente, o reino dos céus é semelhante a uma rede, que foi lançada ao mar e apanhou peixes de toda a espécie. Depois de cheia, os pescadores puxaram-na, para a praia, e, sentados, puseram os bons em cestos, deitando fora os ruins. Assim será no fim do mundo: sairão os anjos e separarão os maus dentre os justos, e os lançarão na fornalha de fogo, onde haverá choro e ranger de dentes (Mateus, 13:47-50)”.


Em que pese à doutrina das Igrejas tidas por ortodoxas, que afirma seremos salvos ou condenados segundo aceitemos ou rejeitemos a Jesus Cristo, pessoalmente, como< nosso Salvador, esta edificante parábola, a última de uma série de sete, proposta pelo Mestre a seus discípulos nos ensina, uma vez mais, que nossa aceitação ou rejeição no reino dos céus depende tão só e unicamente do cumprimento ou da negligência dos nossos deveres de amar e servir a Humanidade.

A simples crença ou incredulidade no poder de salvação pelo sangue do Cristo, em que essas Igrejas põem tanta ênfase, não têm a mínima influência na determinação de nossa sorte futura.

Admitido que assim fosse, a maioria da Humanidade estaria perdida, pois o Cristianismo só é conhecido e (mal) praticado por menos de um terço da população mundial.

A aceitação do Cristo como nosso redentor só tem eficácia quando se traduz em um esforço sincero e constante no sentido de reproduzir o espírito em nossa própria vida, ou seja, quando procuramos modelar o nosso caráter pelo seu, pautando nossa conduta pelas diretrizes do Evangelho.

Aliás, todo o Novo – Testamento está repleto de passagens que estabelecem categoricamente que o julgamento dos homens será baseado em seus feitos e não em sua fé.

A expressão “fim do mundo”, usada pelo Mestre, não deve ser tomada em sentido absoluto, porquanto a Terra e todos os planetas do Universo são obras de Deus, e elas não foram feitas para morrer.

Significa, apenas, o fim deste ciclo evolutivo da Humanidade terrena, com o desaparecimento de todos os seus usos, costumes e instituições contrários à Moral e à Justiça.

E’ o fim do mundo velho, com suas confusões, suas discórdias, seus convencionalismos, suas iniqüidades sociais, seus ódios, suas lutas armadas, e o advento de um mundo novo, sob a égide da verdade, do bom entendimento, da lisura de caráter, da equidade, do amor, da paz e da fraternidade universal.

Os anjos são os Mentores Espirituais deste planeta, que velam pelo seu destino, aos quais estará afeta a expulsão dos maus: os açambarcadores, os avarentos, os déspotas, os corruptores, os devassos, os desonestos, os exploradores, os hipócritas, os ladrões, os libertinos, os maldizentes, os orgulhosos, os sanguinários, enfim todos os que tenham feito mau uso de seu livre arbítrio e hajam malbaratado as inúmeras oportunidades que lhes foram concedidas (através das reencarnações) para a realização de seu progresso espiritual.

A rede representa a Lei de Amor, inscrita por Deus em todas as consciências, e os peixes de toda a espécie apanhados por ela são os homens de todas as raças e de todos os credos, que serão julgados de acordo com suas obras.

O texto é claríssimo nesse ponto não deixando margem a qualquer dubiedade: “… e puseram os bons em cestos, deitando fora os ruins”.

Quando, pois, o ciclo se fechar à sorte dos justos será passar a um plano “à direita do Cristo”, plano que aqui será implantado no correr do terceiro milênio, constituído de almas cristãs, afeitas ao bem, onde fruirão de imperturbável felicidade; e a dos maus, a de serem lançados na “fornalha de fogo”, símbolo dos mundos inferiores, de expiação e de provas, onde terão que se depurar, entre lágrimas e dores, até que mereçam acesso a uma esfera melhor.

Referências:

1.Cairbar Schutel – Parábolas e Ensinos de Jesus (A Parábola da Pérola - Cap. 7)
2.Rodolfo Calligaris – Parábolas Evangélicas (Parábola do Tesouro Escondido e da Pérola- Cap. 5)

 


Para ficar por dentro das novidades do Projeto Transformar,
cadastre-se em nossa newsletter e nos acompanhe através das redes sociais:

E-mail: contato@projetotransformar.org

Voltar ao topo